Strict Standards: Declaration of JParameter::loadSetupFile() should be compatible with JRegistry::loadSetupFile() in /home/potygua/public_html/libraries/joomla/html/parameter.php on line 512

Luiz Inácio Lula da Silva

  Luiz Inácio Lula da Silva, nasceu em Caetés, então Vargem Grande, à época distrito de Garanhuns, interior de Pernambuco, a 27 de outubro de 1945. Assumiu a Presidência da República Federativa do Brasil em 2003 com a maior votação da história do país (52,4 milhões de votos), quebrando recordes de votação de todos os ex-presidentes brasileiros. Ele só perde, no mundo, para o general indonésio Susilo Yudhoyono (69,27 milhões de votos), George W. Bush (58,4 milhões de votos) , John Kerry (54,8 milhões de votos), os três em eleições realizadas em 2004, e o ex-presidente Americano Ronald Reagan, que teve, em 1984, 54,4 milhões de votos. Mas ultrapassou a votação do presidente Bill Clinton, que teve 47,4 milhões de votos.   

Foi candidato a presidente em 1989 (derrotado por Fernando Collor de Mello), em 1994 (derrotado por Fernando Henrique Cardoso) e em 1998 (novamente derrotado por Fernando Henrique Cardoso), tendo por fim ganho as eleições de 2002 (o segundo colocado foi José Serra).

Lula é co-fundador, presidente de honra e filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT), um dos mais importantes partidos brasileiros.

    Aos 7 anos de idade a família de Lula realizou uma viagem comum para muitos nordestinos do Brasil: em condições precárias, dirigiu-se para o estado de São Paulo, na esperança de oportunidades melhores de vida. Passaram a residir em Guarujá, cidade do litoral do estado.

Luís Inácio da Silva foi alfabetizado no Grupo Escolar Marcílio Dias. Em 1956 passou a morar em São Paulo. Com 12 anos Lula foi empregado em uma tinturaria, tendo depois exercido as profissões de engraxate e auxiliar de escritório.

 Lula conversa com crianças moçambicanas. Um dos seus objetivos é aproximar o Brasil aos outros países de língua portuguesa.Seguindo para a indústria, Lula conseguiu uma vaga no curso de torneiro mecânico no SENAI, organização brasileira de ensino industrial, formando-se metalúrgico. Alguns anos depois, mudou-se para São Bernardo do Campo, onde teve os primeiros contatos com o movimento sindical em 1968, por influência do Irmão José Ferreira de Melo, apelidado de Frei Chico, que lhe presenteou seu primeiro livro intitulado: O Que é a Constituição.

Em 1969 Lula foi eleito para a diretoria do sindicato dos metalúrgicos de São Bernardo do Campo. Em 1975 foi eleito presidente do mesmo sindicato. Reeleito em 1978, foi uma das lideranças sindicais que retomaram a prática de greves públicas de larga escala, que haviam cessado de ocorrer desde o endurecimento repressivo da ditadura militar nos 10 anos anteriores. Durante o movimento grevista, a idéia de fundar um partido representante dos trabalhadores foi amadurecendo, e, em 1980 foi fundado o Partido dos Trabalhadores, (PT).

Visando participar de pleitos eleitorais, alterou judicialmente seu nome de Luís Inácio da Silva para Luís Inácio Lula da Silva (a legislação vigente proibia o uso de apelidos pelos candidatos).

Em 1982, Lula participou das eleições para o governo de São Paulo e perdeu. Em 1984, participou, ao lado de Ulysses Guimarães, da campanha Diretas Já, que clamava por eleições presidenciais diretas após anos de ditadura militar e presidentes nomeados. A campanha não teve sucesso e as eleições presidenciais de 1984 foram feitas pelo Colégio Eleitoral. Em 1986, foi eleito deputado federal com recorde de votos tendo uma atuação discreta.

Em 1989, realizaram-se as eleições diretas. Lula se candidatou a presidente, liderando todas as pesquisas até semanas antes da eleição. O pleito acabou sendo vencido por Fernando Collor de Mello, candidato conservador do PRN, que recebeu entusiástico apoio de considerável parte da população que se sentia intimidada ante a perspectiva de ex-sindicalista tido como radical e abertamente alinhado com as teses de esquerda chegar à Presidência.

 A mídia progressista e a oposição afirmam que o resultado da eleição de 1989 teria sido decisivamente manipulada por setores da mídia conservadora. É fato que Collor empenhou-se numa campanha de difamação de Lula, apresentando no seu horário eleitoral gratuito o depoimento de uma antiga namorada de Lula, com a qual este tinha uma filha, em que esta namorada o acusava de ter-lhe proposto um aborto e de ser "racista". Alguns ainda afirmaram que, além deste fato objetivo, teriam havido manipulações subreptícias de alguns dos principais órgãos dos mídia brasileiros, que cobririam as eleições de forma a favorecer a candidatura de Collor. A pedra de toque dessas alegações diz respeito à edição de um resumo do último debate televisivo entre os dois candidatos que foi levado ao ar pelo mais assistido telejornal do país em horário nobre a poucos dias da eleição -portanto, num momento crítico da corrida eleitoral- que concedia mais tempo à Fernando Collor que a Lula.Falou-se também na época em interrupção deliberada do serviço de ônibus urbano em áreas de baixa renda, dificultando a movimentação de eleitores até às seções eleitorais, assim como do seqüestro do empresário Abílio Diniz,às vésperas da eleição, por um grupo de supostos terroristas estrangeiros, em que fez-se questão de mostrar na televisão o mesmo empresário, libertado de seu cativeiro, portando uma camisa com o emblema do PT, que teria sido-lhe colocada pelos mesmos seqüestradores.

Em 1991, o presidente Collor, oriundo de uma tradicional família alagoana de políticos e empresários do setor de comunicações, foi denunciado por corrupção ativa e passiva por suas ligações com o empresário e caixa da campanha de Collor, Paulo César Farias. O escândalo decorrente dessas acusações provocou ampla mobilização social no que ficou conhecido como Movimento Cara Pintada. Em seu ápice a série de protestos pacíficos reuniu mais de cinqüenta milhões de cidadãos, jamais visto no mundo em tamanha proporção, exigindo o impeachment do presidente. O movimento foi vitorioso tamanha a pressão social exercida sobre as bases parlamentares.

Em 1994, Luis Inácio Lula da Silva volta a candidatar-se à presidência e é novamente derrotado, dessa vez pelo candidato do PSDB, o sociólogo Fernando Henrique Cardoso - posteriormente apelidado pela imprensa de FHC. Ex-senador, Cardoso tinha um histórico político ligado à centro -esquerda, tendo sido exilado durante ditadura militar, e é um dos intelectuais mais respeitados do mundo.

A frente do Ministério da Fazenda no governo de Itamar Franco, FHC foi um dos mentores do Plano Real, que teve sucesso em sobrepujar a hiperinflação e estabilizar a moeda brasileira. Em 1998 Fernando Henrique se tornou o primeiro presidente brasileiro a se reeleger, derrotando Lula no primeiro turno.

Em 27 de outubro de 2002, Lula foi eleito presidente do Brasil, derrotando o candidato de FHC, José Serra do PSDB. No seu discurso de posse, Lula afirmou: "(sic) E eu, que durante tantas vezes fui acusado de não ter um diploma superior, ganho o meu primeiro diploma, o diploma de presidente da República do meu país." A declaração foi uma resposta contra os inúmeros ataques que sofreu em virtude de sua baixa educação formal, que muitos consideram incompatível com o cargo mais importante da República. Muitos opositores dizem que tal afirmativa é inverídica, pois Lula já tinha o certificado de torneiro mecânico emitido pelo SENAI, bem como um diploma similar como deputado federal. As causas deste desabafo foram os ataques sofridos na campanha que desmereciam sua educação.

 Em 2005, acontece uma série de escândalos de corrupção envolvendo o seu partido, os integrantes deste e de outros partidos políticos.

 Precedido por:

Fernando Henrique Cardoso