Portal do Governo do Tocantins | Constituição Estadual | UFT

 

Tocantins (TO)

 História

O desbravamento do território deve-se às incursões feitas, em 1625, pelos missionários que sobem o Rio Tocantins e fundam missões religiosas e pelos bandeirantes paulistas, no século XVIII, que buscavam o ouro descoberto em Santana (atual Vila Boa, GO).

Inicia-se, então, uma grande diferença entre as culturas do Norte, de influência nordestina; e do Sul, com influência paulista.

Essa situação se agrava pelas dificuldades de acesso que os habitantes do norte têm para chegar ao sul e vice-versa, fazendo com que o comércio seja direcionado aos Estados do Maranhão e Pará, por parte do norte e para Minas Gerais e São Paulo, por parte do sul. Surgem, então, as rivalidades pela posse das terras, com paulistas e portugueses de um lado e as Capitanias do Maranhão e Grão-Pará do outro, criando a semente separatista.

Em 1821, é proclamado o Governo Autônomo de Tocantins, devido à revolta pela pesada carga de impostos cobrados da Região sem que nela nada se invista. A região é ocupada por fazendas de gado, de exploração da cana-de-açúcar com mão-de-obra escrava e a plantação de arroz, milho e mandioca. Este Governo dura pouco, pois é esvaziado com a Independência do País, mas serviu para disseminar as idéias separatistas.

Com a República, a região passa a ser o Estado de Goiás.

As idéias separatistas voltam em 1920, também sem sucesso.

A fundação da Cidade de Brasília e a criação do novo Distrito Federal faz a região expandir seu povoamento, seu comércio e sua agricultura, principalmente por causa da rodovia Belém-Brasília.

O aparecimento da mineração de calcário e ouro, o estabelecimento das indústrias madeireiras e de mobiliário (principalmente de mogno) aumentaram a rapidez do desenvolvimento da região.

Em 1972, a proposta de formação do novo Estado é apresentada, ganha força por causa da necessidade de acelerar a ocupação da região do Bico do Papagaio, depois do enfrentamento entre a guerrilha do Araguaia e o Regime Militar; e, em forma de projeto de lei é por duas vezes aprovada pelo Congresso Nacional, porém, é vetada, pelo Presidente João Figueiredo e em 1985, pelo então Presidente da República, José Sarney, que alegou falta de recursos e não ser do interesse da Nação.

Com a promulgação da nova Constituição, em 1988, cria-se o Estado de Tocantins.

A Cidade de Miracema do Tocantins é escolhida como Capital provisória, até que a Cidade de Palmas, a atual Capital, fosse construída.

A decisão agradou ao norte e ao sul do antigo Estado de Goiás.

Em 1989 inicia-se a construção da Cidade de Palmas, planejada para ser a Capital definitiva do Estado.

A Capital é transferida para Palmas em 1990 e em apenas dois anos, sua população salta de 5.000 para cerca de 30.000 habitantes, devido ao fascínio que exerce sobre migrantes de todo o País.

       Estado localizado a sudeste da região Norte. Tem como limites: Maranhão (N e NE), Piauí e Bahia (L), Goiás (S), Mato Grosso (SO) e Pará (NO). Ocupa uma área de 278.420,7km2. Sua capital é Palmas.

 As cidades mais populosas são Araguaína, Gurupi, Porto Nacional e Palmas. O relevo apresenta chapadas ao norte, o espigão do Mestre a leste e a planície do médio Araguaia, com a ilha do Bananal na região central. São importantes o rio Tocantins, o rio Araguaia, o rio do Sono, o rio das Balsas e o rio Paraná. O clima é tropical.

 A economia se baseia no comércio, na agricultura (arroz, milho, feijão, soja), na pecuária e em criações.

 O Estado foi criado por determinação da Constituição de 1988, a partir da divisão do Estado de Goiás (parte norte e central). Mas a idéia de se constituir uma unidade autônoma na região data do século 19.

 Em 1821, Joaquim Teotônio Segurado chegou a proclamar um governo autônomo, mas o movimento foi reprimido.

 Na década de 70, a proposta de formação do novo Estado foi apresentada ao Congresso;chegou a ser aprovada em 1985, mas na ocasião acabou vetada pelo então presidente da República, José Sarney.