Terça, 01 Janeiro 2013 23:32

1901 a 1982

   1901– 1982

 
1903 - A Capital do Estado volta a se estabelecer em Niterói.
1920 - A Cidade do Rio de Janeiro ultrapassa 1.000.000 de habitantes.
1923-1927 - Feliciano Sodré - Construção dos portos de S.Lourenço e Angra dos Reis, instalação de usinas elétricas.
No período da 1a. República, acentua-se, na terra fluminense, a crise iniciada no Império: lavouras tradicionais, café e açúcar estão em decadência. A produção de café concentra-se em Itaperuna, Muriaé e Itabapoana. Áreas cafeicultoras tradicionais como Cantagalo, Vassouras e Valença são substituídas pela pecuária, ocupando os solos esgotados. Cultivo de laranja e banana, em escala econômica, inicia-se na baixada fluminense, mas só a partir de 1926 atinge os mercados externos (Reino Unido).
Não há estímulo para a produção industrial, ao contrário, destacam-se núcleos artesanais e manufatureiros pequenos e restritos ao consumo local. A indústria laticínia atinge algum desenvolvimento apesar do baixo nível tecnológico. Desenvolvem-se atividades extrativas: pesca em Cabo Frio e salineira em Araruama, além da exploração de florestas em escala predatória para o fornecimento de lenha e carvão para o Rio de Janeiro. O Rio de Janeiro perde importância em relação ao desenvolvimento de São Paulo e de Minas Gerais.

 1930 - (Revolução) - Sucederam-se na chefia do Estado do Rio vários interventores federais que revelam o controle exercido peloGoverno Federal sobre o Estado. A situação econômico-financeira foi limitada aos próprios recursos do Estado, em razão dos reflexos sofridos pela Nação, provocados pelas mudanças políticas, assim como pela crise mundial de 1929. Reduziu-se a produção cafeeira, enquanto duplicou a
produção canavieira. A partir de 1933 desenvolve-se a indústria do cimento. Faltam recursos para infra-estrutura, restringindo-se o desenvolvimento a aspectos sociais como assistência médica e ensino.

 1937 - Implantando o Estado Novo - nomeado interventor federal o Cte. Ernâni do Amaral Peixoto, que reorganizou o sistema tributário, criou as Secretarias de Educação e Saúde Pública, Agricultura, Indústria e Comércio e desenvolveu amplo programa rodoviário e de abastecimento de água.

 1941 - Início das atividades da Companhia Siderúrgica Nacional em Volta Redonda, estrategicamente localizada entre Rio de Janeiro e São Paulo, dois maiores centros de consumo e distribuição dos produtos de siderurgia. Seguem-se os governos de vários interventores federais até a eleição do governador Gal. Edmundo de Macedo Soares e Silva, em 1947, que imprime novo desenvolvimento: quadruplica a produção do aço e promove a produção de cimento, também ascendente. Reergue a produção agropecuária através de crédito rural e desenvolve o corporativismo.

 1951-1954 - Eleito, Amaral Peixoto executa vasto plano rodoviário e incrementa a produção industrial; cria a Cia. Nacional de Álcalis, em Cabo Frio; conclui a Usina Hidrelétrica de Macacu, além de obras importantes de saneamento, água e esgoto em vários municípios e da adutora do Laranjal.

1954-1958 - Miguel Couto Fo. beneficiou o setor de saúde pública criando postos de atendimento e unidades itinerantes. Estendeu a rede elétrica a vários municípios.

 1959-1961 - Roberto Teixeira da Silveira dinamiza a organização estadual criando as Secretarias de Energia Elétrica, Desenvolvimento Econômico, Administração Geral, Trabalho e Serviço Social e Comunicação e Transportes. Destaque para o Movimento Popular de Alfabetização.

 1960 - 21 de abril a cidade do Rio de Janeiro deixa de ser Distrito Federal e Capital do Brasil, transferida para Brasília.

 1963 - Eleito Badger da Silveira (irmão de Roberto da Silveira) que cria a CELF, Centrais Elétricas Fluminenses, dinamizando o fornecimento de energia elétrica.

 1974 - Março - Inauguração da Ponte Costa e Silva ligando as cidades do Rio de Janeiro e Niterói.

 1975 - Em 15 de março de 1975, fundiram-se o Estado da Guanabara e o Estado do Rio de Janeiro, com o nome de Estado do Rio de Janeiro, assumindo o governo da nova unidade federativa o Almte. Faria Lima. Em 23 de julho - Promulgação da Constituição do Estado do Rio de Janeiro.

1982 - Pela primeira vez desde 1964, houve eleições diretas para governadores. O reerguimento e a recuperação do Estado do Rio depois do declínio do café fez-se tanto pelo desenvolvimento de novas formas de atividade agrícola, como pela instalação de numerosas indústrias. A cana de açúcar nas vastas planícies de Campos, a criação de gado no vale do Rio Paraíba do Sul, plantações de arroz em Miracema e Santo Antonio de Pádua, a extração do sal em Cabo Frio, Araruama e S.Pedro da Aldeia, as culturas de banana e da laranja na Baixada, perto da Baía de Guanabara, tomate em Resende, chuchu em Petrópolis e abacaxi concentrado em Itaboraí, Rio Bonito e Magé completam o quadro dos produtos principais do Estado do Rio.                                                    



 

 

                                                       

 

 

 

Ler 11372 vezes

425 Comentários

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.