Domingo, 30 Dezembro 2012 20:54

Cronologia


1513 – Admite-se que nesse ano Diogo Ribeiro tenha chegado ao Golfão Maranhense e que a ele se deva o nome de Trindade dado à Ilha de São Luís.

1531 – De ordem de Martin Afonso de Sousa, Diogo Leite, reconhecendo o litoral norte do Brasil, chega à foz do Gurupi. Atribuem-se a ele os nomes de São José e São Marcos dados às baías que formam o Golfão Maranhense, pelos dias, no calendário romano, em que as tenha alcançado.

1534 – D. João III divide o Brasil em capitanias Hereditárias. O Maranhão atual, por sua extensão litorânea do Paraíba ao Gurupi, está compreendido nas duas mais setentrionais dentre elas: a de Fernão Alvares de Andrade, com 70 léguas de costa contadas da foz do Mundau (Camocim) aos Mangues Verdes (Golfão Maranhense) e uma segunda, de João de Barros, com 50 léguas, dos Mangues Verdes à foz do Gurupi.

1535 – Os dois donatários associam-se a Aires da Cunha que, à frente de uma frota de 10 navios, com 900 homens, vai tentar a conquista e colonização do Maranhão. Chegando a seu destino, a esquadra desaparece em um naufrágio, mas uns poucos sobreviventes conseguem fundar a povoação de Nazaré.

1538 – Discutem os historiadores onde teria sido localizada Nazaré que todavia não sobreviveu a três anos. Simão da Silveira, em sua "Relação Sumária das Costas do Maranhão", publicada em 1624, dá o testemunho de ter visto na ponta do Bonfim, na ilha de São Luís, as ruínas de um forte que teria sido construído para a defesa dessa povoação.

1594 – Fracassadas as novas tentativas de colonização do Maranhão, feitas por Luís de Melo da Silva (1554), pelos filhos de João de Barros (1555) e por Luís de Gamboa (1573), o Golfão Maranhense fez-se abrigo preferido de piratas normandos. Dentre eles, Jacques Riffault que, de volta à França, tenta convencer a Coroa da possibilidade de ali instalar uma colônia definitiva.

1602 – Henrique IV, de França, concede a René-Marie de Mont-Barrot, Carta Patente (8/5) que o autoriza a fundar uma colônia no norte do Brasil, o qual se associa a Daniel de La Touche, Senhor de La Ravardière.

1604 – O monarca francês, ante a desistência de Mont-Barrot, por Carta Patente de 6/7 nomeia La Ravardière seu Lugar-tenente e vice-almirante nas costas do Brasil.

1610 – La Ravardière, em companhia de Charles des Vaux, que fora imediato de Riffault, faz uma primeira viagem de reconhecimento ao Maranhão. Assassinado Henrique IV, a Rainha-Viúva e Regente D. Maria de Médici, por Carta Patente de 1º-10, dá-lhe autorização para fundar, ao sul da linha Equinocial, uma colônia que se estenderia por um raio de 50 léguas em torno do forte que fosse construído.

1612 – La-Ravardière, associando-se a Nicolas de Harlay, tesoureiro do Reino, e a François de Razilly, Almirante de França, organiza uma expedição de três navios com 500 homens, a qual, sob o comando conjunto dele e de Razilly, chega a Upaon-Mirim, ilha pequena, na entrada dos Mangues Verdes, no dia 26/7, à qual dão o nome de Sant’Anne; logo se transferem a Upaon-açu, ilha grande, a da Trindad, onde desembarcaram no porto de Jeviré (ponta de São Francisco) e são recepcionadas pelo Capitão Du Maior, que ali mantinha uma feitoria com 400 homens. Após terem confraternizado com os nativos, que obedeciam ao morubixaba Japiaçú, escolhem para a construção do forte uma ponta de rochedo que ficava defronte, entre dois rios: Maioba (Anil) e Bacanga, que ali despejavam suas águas no chamado porto de Guaraparí. A 12/8, dia de Santa Clara, os missionários capuchinhos da expedição rezaram no Maranhão uma primeira missa e a 8/9, concluído o forte, ergueram defronte uma grande cruz, dando por formalmente fundada a França Equinocial. A seguir, no dia 1º/11, hastearam, ao lado da cruz, o estandarte real das flores de liz e fizeram públicas leis institucionais que, em nome da Coroa, outorgaram ao estado e colônia recém-fundados. Ao forte deram o nome de Saint-Louis, em homenagem ao rei-menino Luís XIII, e que com o tempo, se transmitiria à povoação e a toda ilha; ao porto de Guaraparí, o de Sainte-Marie, em homenagem à Regente e à Santíssima Virgem, mas que acabaria por cair no esquecimento.

1614 – O Governador Geral do Brasil despacha de Pernambuco uma expedição militar, que a história chamaria de "Jornada Milagrosa", com a missão de expulsar os franceses do Maranhão; Jerônimo de Albuquerque, o comandante, vai se fixar em terra firme, na foz do munim, onde levanta o forte de Santa Maria no sítio de Guaxenduba. La Ravardière ataca o forte no dia 19/11, mas é derrotado no combate.

1615 – Alexandre de Moura, despachado para o Maranhão com reforços, assume o comando da luta e obriga La Ravardière à rendição (4/11). O forte de São Luís muda o nome para o de São Felipe, em homenagem ao monarca reinante em Portugal, mas a povoação continua sendo de São Luís.

1616 – Expulsos os franceses, Alexandre de Moura retorna a Pernambuco (9/11), deixando Jerônimo de Albuquerque como primeiro Capitão-Mor da Conquista do Maranhão e, com ele, a "traça" feita pelo Engenheiro-Mor do Brasil, Francisco Frias de Mesquita, a ser observada na implantação e desenvolvimento da futura vila, para cuja Câmara, quando se instalasse, deixa uma légua de terra como patrimônio. São Luís terá sido, por certo, a primeira cidade brasileira a ter sua planta previamente traçada, em uma malha urbana ortogonal, posicionada no sentido dos pontos cardeais.

1619 – Trazidos por Simão Estácio da Silveira, chegam dos Açores os primeiros colonos para o Maranhão, o que permite que a povoação passe à vila com a eleição (9/12) de seu primeiro Senado da Câmara, do qual foi ele mesmo o primeiro presidente.

1620 – Em pagamento de promessa feita à Santíssima Virgem para que livrasse a vila de uma primeira epidemia de varíola que estava dizimando sua população, estimada em apenas 300 almas, o Capitão-Mor Diogo da Costa Machado faz construir, à sua custa, a igreja da N.S. da Vitória, destinada a ser a matriz da freguesia quando se instalasse.

1624 – Com a chegada de Frei Cristovão de Lisboa, provido na cargo de Vigário pelo Administrador Apostólico da Prelazia de Olinda, dá-se por criada a freguesia do Maranhão (5/02) e a Igreja de N.S. da Vitória erigida em matriz.

1626 – Com a posse (3/09) de Francisco Coelho de Carvalho no cargo de Governador e Capitão-General, dá-se por instalado o Estado do Maranhão, criado pela Carta Régia de 13/06/1621, separado do Brasil e tendo São Luís por capital.

1638 – Bento Maciel Parente, segundo Governador e Capitão-General do Estado, faz construir, em torno do núcleo original de São Luís, uma muralha que se transforma em uma cidadela a área das atuais Avenida Pedro II e Praça Benedito Leite.

1641 – 1642 – Deve-se aos holandeses a primeira vista panorâmica de São Luís, desenhada pelo pincel de Franz Post e a primeira planta que dela se conhece. Nesta, a vila se mostra repartida em três setores distintos. A cidadela, cujos muros cingiam o núcleo original francês; o setor urbano em que terá sido obedecida a traça de Frias de Mesquita, estendido da cidadela para o sul, até o Desterro, marginando o bacanga ao longo da chamada Praia Grande; e o setor suburbano que já começara a crescer para o interior da ilha, rumo ao nascente, por trás da antiga colina de Santa Bárbara, onde desde 1627 se construíra o chamado Convento do Carmo novo.

1644 – Os holandeses São expulsos de São Luís por Antônio Teixeira de Melo (28/02), que sucedera, por morte, a Antônio Muniz Barreiros no comando da resistência contra os invasores.

1648 – A população de São Luís, que o capitão holandês Gedeon Morris, estimara em 700 habitantes, reduzira-se a 480, que viviam em casas rústicas, cobertas de palha a maior parte.

1654 – A Carta Régia de 25/08 restabelece, com o nome mudado para o de Estado do Maranhão e Grão-Pará, o estado do Maranhão que fora extinto pela Carta Régia de 25/02/1652, continuando São Luís como capital.

1679 – A 11/07, com a posse do primeiro bispo, D. Gregório dos Anjos, instala-se a diocese do Maranhão, criada por bula de 30/08/1677. Por esse decreto papal São Luís, suja população é nele estimada em 2.000 almas, foi erigida cidade.

1648 – Arrebenta (23/02) a revolta chamada Bequimão, contra o monopólio do Estanco estabelecido pela Companhia de Comércio. Deposto o Governador, organiza-se uma Junta dos três Estados, em que São representados paritariamente o Clero, a Nobreza e o povo. É a primeira vez que o Povo ascende ao Governo; mas o movimento termina com o sacrifício, na forca (10/11/1655) de Manuel Beckman e Jorge de São paio.

1700 – João Lisboa, em seus "Apontamentos", diz que, no transcurso do século XVII para XVIII, a cidade apresentava todos os sinais de decrepitude, acrescentando que, conforme ofício do então Ouvidor-Mor João Francisco Leal (19/11/1700), seus subúrbios se estendiam além da Igreja de São João. Isto é, continuavam nos limites que lhe foram dados na planta de 1642.

1712 – Em seu primeiro centenário, a cidade, segundo o testemunho do Pe. Jacinto de carvalho em sua "Relação do Maranhão" (1719), era muito formosa por causa das muitas árvores; e, segundo Berredo, que governou o Estado de 1718 a 1722, tinha pouco mais de 1.000 vizinhos ("anais").

1755 – Criada (7/08) a Companhia geral de Comércio do Grão-Pará e Maranhão pelo Marquês de Pombal, ela, com o incremento dado à lavoura a à economia, propiciaria o desenvolvimento e o progresso da região. No governo de Joaquim de Melo e Póvoas (1761/1779) o chamado Terreiro do Palácio, onde foram demolidas as velhas igrejas de N.S. da Vitória e da Misericórdia e os muitos casebres que o enfeiavam, transforma-se no ajardinado Largo do Palácio; e o cemitério, que ficava por trás do último templo, é transferido para o fim da rua Larga (Grande), no ponto onde então foi aberta uma estrada que, ultrapassando o Largo dos Quartéis, já existente, levava à Ponta do Romeu (Praça Gonçalves Dias), onde surgira um arraial em torno da ermida de N.S. dos Remédios. Duplicara-se a área suburbana.

1759 – O Pe. José de Morais, em sua "História", acabada de escrever nesse ano, informa que "era então a cidade bem situada, com boas ruas a rumo de corda, a maior parte calçada... e servida por uma excelente e bem fundada fonte a que chamamos das Pedras... Sabemos, porém que não era essa a única, pois já existiam as fontes do Bispo, das Telhas e da Olaria; e, também, que desde 1737, os jesuítas haviam pedido licença à Câmara para, ampliando sua igreja de N.S. da Luz, dar-lhe uma nova torre que seria servida por um relógio público.

1772 – A Carta Régia de 20/08 separa em dois, pelas Capitanias-Gerais do Maranhão e do Grão-Pará, o Estado que, desde 1751, fora dito do Grão-Pará e Maranhão, transferida a capital para Belém.

1784 – O Governador José Teles da Silva (1783/1787) dá inicio ao aterro da Praia Grande, concedendo os chãos ribeirinhos a quem se obrigasse a construir a parte fronteira do cais, conforme plano antes recomendado pela Coroa a seu antecessor.

1787 – Foi só nesse ano que a cidade ganhou seu pelourinho, símbolo da autonomia municipal. Situava-se no Largo do Carmo, à saída do antigo Caminho do Carmo, que ia se transformando em rua da Paz.

1788 – Censo demográfico levantado pelo Vigário da freguesia acusa, para a cidade, uma população de 16.580 habitantes e a existência de 1.482 fogos.

1796 – É construída, no governo de D. Fernando Antônio de Noronha, a Fonte do Ribeirão, e, no ano seguinte, o Forte de Santo Antônio, na antiga Ponta de João Dias (d’Areia ).

1805 – Governador D. Antônio Saldanha da Gama. Concluem-se as obras que transformam a Praia Grande, à margem direita da foz do Bacanga, no bairro do mesmo nome, inclusive com a construção da Casa das Tulhas (atual Feira da Praia Grande). Nesse mesmo ano o Dr. Manuel Rodrigues de Oliveira, apelidado de Médico do tijuco, inicia o aterro da Praia da Olaria, nas proximidades da Fonte das Pedras.

1813 – Instala-se, na Câmara Municipal, pegada ao Palácio dos Governadores, o Tribunal de Relação, criado que fora a 23/08/1811, enquanto se reforma, para sua sede, o prédio do Hospital Militar, na esquina da rua do Hospital (Sant’Ana) com a do Desterro (Palma) que é então transferido para a antiga Casa de Recreio do Jesuítas, distante de Ponta de Santo Amaro, a que se chegava pelo Caminho Novo da Madre-de-Deus (rua de São Pantaleão). Em relatório então enviado ao Desembargador Antônio Rodrigues Veloso de Oliveira, primeiro chanceler dessa corte, o Ouvidor-Mor Bernardo José da Gama previne-lhe o espírito contra a cidade, que diz ser minúscula e fúnebre, habitada por gente degredada, criminosos e aventureiros.

1815 – Com relação a elevação do Brasil a Reino, unido aos de Portugal e Algarves (16/12), São Luís, com uma população estimada em 18.000 habitantes, passa a ser capital da Província do Maranhão.

1819 – Na opinião dos naturalistas bávaros Spix e Martius (Viagem pelo Brasil), que a visitam nesse ano, São Luís merece, à vista de sua população, que eles calculam em 30.000 pessoas, o quarto lugar entre as cidades brasileiras.

1822 – Com a administração de Bernardo da Silveira Pinto da Fonseca, seu último Governador e Capitão-General, a cidade passa por grandes reformas; os edifícios públicos são restaurados, todas as ruas são calçadas e o Largo do Palácio transforma-se em aprazível Passeio Público. Pela "Estatística" de Antônio Bernardino Pereira do Lago, o engenheiro responsável por tais obras, São Luís tinha então 19.611 habitantes distribuídos por duas freguesias – N.S. da Vitória e N.S. da Conceição e nela já funcionava um Teatro "União" (Arthur Azevedo), uma Tipografia Nacional, uma Repartição de Higiene, etc...

1823 – Formaliza-se em São Luís, a 28/07, a adesão do Maranhão à Independência do Brasil.

1832 – O naturalista francês Alcide d’Orbigny confirma, em sua "Viagem Pitoresca", a opinião de Spix e Martius - a capital maranhense estava, sim, no quarto lugar entre as cidades do Brasil.

1836 – Rol populacional então levantado, conta, em São Luís, 2.199 casas, onde viviam calculadamente 25.000 pessoas.

1840 – Daniel Kidder, em suas "Reminiscências", vê a cidade como sendo de melhor construção que qualquer outra no Brasil e com um aspecto de progresso como raramente se nota em outras cidades do Império e acentua, além disso, serem poucas as choupanas e casebres.

1841 – George Gardner, que calculou em 26.000 sua população, ressalta em sua "Viagem pelo Interior do Brasil", que São Luís tinha "as ruas geralmente calçadas e mais limpas que quaisquer outras que vi no país, é que as casas, solidamente construídas... geralmente de dois andares" . Nesse mesmo ano, a 14/09, inicia-se a construção do Cais da Sagração, à margem esquerda do Anil, do qual diria César Marques, em seu "Dicionário", decorrido um quarto do século (1864) que ainda era, sem dúvida, a obra de mais importância que havia na província.

1843 – A precária iluminação pública, à base de azeite de peixe, que vinha de 1825, é substituída pela de álcool terventinado, com 155 lampiões de cobre espalhados pela cidade.

1844/1855 – As duas plantas da cidade datadas desses anos e praticamente iguais, mostram que a área urbana era limitada por uma reta norte-sul formada pelas ruas dos Remédios, desde a ponta do Romeu, e do Passeio, que não ia além da rua das Cajazeiras, onde era o Cemitério (Hospital "Djalma Marques"). Depois, via-se o Caminho Grande alongando-se para o interior da ilha.

1863 – A 15/02 é inaugurado o novo serviço de iluminação, à base de gás carbônico; espalham-se pela cidade 498 postes e 451 prédios são atendidos pelo novo serviço.

1868 – Cândido Mendes, em seu "Atlas do Império do Brasil" estima para São Luís, uma população de 35.000 habitantes.

1871 – Começa a operar em São Luís a Companhia Ferro Carril, que fazia o transporte urbano com bondes de tração animal; no ano seguinte instala-se uma estrada de ferro, de bitola estreita, cuja linha se alonga até a zona rural.

1872 – O relatório do Presidente Gomes de Castro referente ao exercício anterior, aponta São Luís com 4.210 fogos e 27.857 habitantes; mas o Censo feito nesse ano aumenta esses números para 7.026 casas e 31.604 moradores.

1874 – Organiza-se a Companhia das Águas que fará o abastecimento da cidade com seis chafarizes públicos espalhados pelas principais praças.

1888 – Com a abolição da escravatura (13/5) nesse ano, o Maranhão tentaria transforma-se de uma rica província agrária em um estado industrial e só em São Luís instalam-se 24 fábricas, entre grandes e pequenas, mas que não sobrevivem, progressivamente diminuídas em número ao primeiro quartel do século XX. É o que Jerônimo de Viveiros, em sua "História do Comércio" chama de " a loucura industrial" e o que marca, no tempo, o início de um período de estagnação, se não de decadência, do Maranhão e notadamente de São Luís.

1889 – O Maranhão adere (18/11) à República e São Luís passa a ser a capital de um estado federado.

1890 – O Recenseamento desse ano dá à cidade uma população de 29.308 habitantes, 6,8% do total do Estado. E nela começa a funcionar a Companhia Telefônica de São Luís, com 200 aparelhos instalados.

1900 – Novo Recenseamento decenal registra, em São Luís, 36.798 almas, representando 7,3% de todo o Estado.

1912 – No terceiro centenário da cidade, Justo Jansen Ferreira traça-lhe a planta que demonstra continuar a cidade praticamente do mesmo tamanho que tinha nas de 1844 e 1858, pois sua área urbana ainda era limitada pela reta norte-sul formada pelas Ruas dos Remédios e do Passeio; apenas esta última se alongara para além da Rua das Cajazeiras, indo terminar defronte do novo Cemitério do Gavião, à margem do Bacanga. E essa mesma área será apontada pela planta de 1926, de autoria de José Abranches de Moura. Dessa São Luís, que se mantinha como era desde meio século atrás, o "Álbum Photográfico de São Luís", com fotos de Gaudêncio Cunha e datado de 1908, é um documento de inestimável valor.



 

Ler 7306 vezes

562 Comentários

  • Ligação de comentário GeorgeDrams Quarta, 28 Março 2018 00:30 postado por GeorgeDrams

    buy cialis online for cheap
    buy cialis
    order cialis online cheap
    cialis coupon
    buy cialis no prescription
    generic cialis online
    pink cialis pills
    cialis generic
    order generic cialis online canada

  • Ligação de comentário DavidGrify Segunda, 19 Março 2018 04:50 postado por DavidGrify

    adobe pdf reader
    adobe cs6 master collection
    photoshop cs6 download
    adobe creative cloud download
    adobe cs6 master collection
    adobe photoshop cc 2017
    adobe acrobat pro
    photoshop cs6
    creative artists agency

  • Ligação de comentário Andrewpleft Segunda, 19 Março 2018 02:27 postado por Andrewpleft

    pdf adobe
    adobe cs6
    macromedia
    adobe cs6
    adobe master collection
    adobe photoshop cs5
    premiere
    photoshop cs5
    adobe creative suite 6

  • Ligação de comentário SergioHiday Quarta, 07 Março 2018 18:57 postado por SergioHiday

    where can i buy viagra in qatar
    viagra without prescription
    buy viagra portland
    viagra without a doctor prescription
    how to get my doctor to prescribe me viagra
    buy viagra online
    efecto de sildenafil 50 mg
    buy viagra
    how do you get viagra on prescription

  • Ligação de comentário RichardSeino Quarta, 07 Março 2018 18:55 postado por RichardSeino

    medecin generaliste viagra
    viagra without a doctor's prescription
    will generic viagra legal
    viagra no prescription
    best online viagra canada
    viagra online
    buy generic viagra and cialis online
    viagra
    buy viagra thailand

  • Ligação de comentário Brucerek Quarta, 07 Março 2018 18:52 postado por Brucerek

    good site buy viagra
    viagra without a doctor's prescription
    differenza tra viagra 50 e 100 mg
    viagra no prescription
    safest place buy generic viagra
    viagra
    generic viagra dosage
    buy viagra
    can you get viagra in ireland

  • Ligação de comentário JesusOpene Quarta, 07 Março 2018 06:17 postado por JesusOpene

    enalapril 20 mg viagra
    viagra without a doctor prescription
    walmart viagra prices
    viagra without doctor
    how to buy viagra from mexico
    viagra
    safe online pharmacy for viagra
    buy viagra
    ordering viagra overseas

  • Ligação de comentário Glennberge Quarta, 07 Março 2018 04:40 postado por Glennberge

    tomar viagra generico
    generic viagra 2018
    get real viagra uk
    generic viagra 2018
    kostet viagra pille
    viagra online
    viagra 100mg how long does it last
    buy viagra
    will viagra have generic

  • Ligação de comentário Davidatoca Terça, 06 Março 2018 04:29 postado por Davidatoca

    cialis 10 mg viagra
    viagra without a doctor's prescription
    can women buy viagra
    viagra no prescription
    nhs viagra online
    viagra online
    nome de generico do viagra
    buy viagra
    buy viagra super force

  • Ligação de comentário Dennishes Segunda, 05 Março 2018 17:45 postado por Dennishes

    pay someone to write paper

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.